Tuesday, November 3, 2009

Uma flor...

Pintura de Monet
.
(...)
No jardim da nossa existência,
existe uma flor e um jardineiro
que rega a sua hortência
e outras com muito esmero.
Outro dia viu-me sorrir para ela
E não é que a flor gostou?!
Parecia ter-se posto à janela
E como ave, voou voou...
.
in À FLOR dos SENTIMENTOS, Isabel Montez

10 comments:

Mel de Carvalho said...
This comment has been removed by the author.
Mel de Carvalho said...

No jardim da nossa existência, Isabel, existe sempre espaço para mais uma flor. no meu jardim, cultivado na "noite" as suas palavras foram pirilampos que aqui me conduziram. Em boa hora!

Isabel, bem-haja. Vou linká-la e lê-la com calma.
Deixo-lhe o convite a que me visite na casinha homónina, a minha noite poética:
www.noitedemel.blogs.sapo.pt (poesia)

Paulo Póvoa said...

A beleza na simplicidade das palavras que descrevem algo maravilhoso :)

Isabel said...

Mel, obrigada pelas palavras que me dedicou! Claro que a visitarei, mesmo de dia irei à sua noite poética.

Isabel said...

Dizem que é difícil ser «simples», mas é, de facto, na simplicidade que está o mais belo. (Embora, muitas vezes, eu seja bem complicada!)
Obrigada, Paulo Póvoa!

Ricardo Calmon said...

Oláaaaa Caríssima mestra Isabel,honraria toda,seguidores nos tornarmos,em prol da Vida,das Crianças e da PAZZZZZZZZZZZZZZ!

VIVA VIDA

Isabel said...

Ricardo Calman, agradeço suas palavras e felicito-o pela sua missão!

Lice Soares said...

Parabéns pelo espaço, Isabel.
Encantou-me.
Vim agradecer-te pela visita ao meu blog e deparei-me com a poesia, grão eterno a florir a paz em mim.
Bjs.

Chico de Assis said...

Lindo poema.
- Izabel, obrigado pela visitaao meu Blog. Gostaria de conversar contigo. Vamos nos contactando.
Envie-me seu e-mail.
Abraços
Chico de Assis

O Profeta said...

Soltos aromas a terra molhada
A geada cobre o ventre da ilha
Dos golfinhos só resta a lembrança
Do alto um milhafre comtempla a maravilha

Subi ao sítio mais alto
Contemplei no longe Santa Maria
Desci ao vale a caminho do sul
Fechei os olhos ao que sentia

Sete são os sortilégios
Sete são as dores sentidas
Sete eram os filhos de pé descalço
Sete eram as almas perdidas


Boa semana


Doce beijo