Monday, December 30, 2013

VOTOS DE UM FELIZ 2014


Sunday, December 22, 2013

NESSE TEMPO GÉLIDO...


                    Nesse tempo gélido...
                    Gélido também o olhar
                    Interior do que não vês
                    Senão o calor do que partiu
                    E virá um dia ao sabor
                    Da chuva e ventania
                    Ou... ao abrir da porta
                    Chega, regressa o sol
                    E derrete o gelo que ficou?

                        Assina: M. Isabel Montes 

Wednesday, November 27, 2013

A JANELA


A minha janela.
Nela admiro, 
Miro-me ao espelho
do Velho jovem.
Sobem ao monte,
Em frente da janela.
Nela entra o sol.
sol la si do ré...
Remo em pouco tempo,
O tempo de chegar
Na garupa do cavalo
Alado tão perto de ti.

27 de novembro de 2013 
Isabel Montes

Saturday, November 2, 2013

ÀS MEMÓRIAS DA NOSSA MEMÓRIA

Em nome de TODOS aqueles que já partiram, neste dia em que os evocamos...
Às memórias da nossa memória...

A TODOS os que choram a saudade... 

DEUS (n)os ilumine. Amen





Friday, September 6, 2013

LIBERDADE

Berta Vicente Salas


LIBERDADE


Ai que prazer
Ter um livro para ler 
E não fazer! 
Ler é maçada, 
Estudar é nada. 
Sol doira 
Sem literatura 
O rio corre, bem ou mal, 
Sem edição original. 
E a brisa, essa, 
De tão naturalmente matinal, 
Como o tempo não tem pressa... 



Livros são papéis pintados com tinta. 
Estudar é uma coisa em que está indistinta 
A distinção entre nada e coisa nenhuma. 


Quanto é melhor, quanto há bruma, 
Esperar por D.Sebastião, 
Quer venha ou não! 


Grande é a poesia, a bondade e as danças... 
Mas o melhor do mundo são as crianças, 


Flores, música, o luar, e o sol, que peca 
Só quando, em vez de criar, seca. 


Mais que isto 
É Jesus Cristo, 
Que não sabia nada de finanças 
Nem consta que tivesse biblioteca... 



                                                                              Fernando Pessoa, in Cancioneiro

Wednesday, July 3, 2013

SENTIDO



      O que podes querer da vida,.
. . . . .. . . . se nela, poeta, tentas plantar
. . . . . . . . o que dela mesma colheste? .
 . . . . . . . Que rumo há de ter sentido .
 .   . . . . . . se não expressares somente .
  . .  .  .  .  .  .                                                         palavras que te constituem?
                                                                                 
                                                                                              Angla Mazle


Monday, June 3, 2013

FEIRA DO LIVRO EM ALMODÔVAR

Imagem cedida pela BM de Almodôvar
 
 
No dia da Criança estive a apresentar o meu livro O HOMEM SEM ALMA e o escritor Joaquim Semeano apresentou o livro ERA UMA VEZ UM NARIZ. A   tarde estava tranquila e os raios de Sol estiveram presentes entre as folhagens das belas árvores da praça.
 
Foi um momento muito bonito! O meu agradecimento à Biblioteca Municipal de Almodôvar e os meus parabéns pelo trabalho aqui levado a cabo em prol da LITERATURA e CULTURA!


Thursday, March 21, 2013

DIA MUNDIAL DA POESIA 2013

Imagem retirada da net.

Partilho um dos meus poemas que gosto:

NUM MOMENTO DE LAZER



Num momento de lazer
Apraz-me mergulhar nas palavras
Descobrir em cada uma delas
Um doce
Um amargo
Um frio
Um calor
Um sentido
Um no sense
Um lugar
Para ficar...
E repousar...
... até que a palavra
Me expulse
E eu consiga
Emergir
Viver
Sem pressa
Com tranquilidade
À espera da frase...


Isabel Montez
in À Flor dos Sentimentos

Friday, January 11, 2013

Livro O HOMEM SEM ALMA de Isabel Montes



O homem sem alma de Isabel Montes
Ilustrações de sua autoria.

Sinopse:

Andava de trás para a frente, como sempre, na rua do Castelo da vila pacata. Fora professor, mas a determinada altura a «alma» viajou… diziam que estava louco.

Hoje, pessoas com os mesmos sintomas sofrem de Alzheimer, dizem os entendidos. Só que aquele homem tinha a felicidade de poder caminhar na rua, sentir o ar no rosto, a água da chuva molhar suas roupas e seu corpo, falar com miúdos atrevidos.

Quem lhe roubou a alma? Terá sofrido uma deceção tão grande que se refugiou na loucura?

Seis crianças resolvem entrar na casa daquela personagem e as peripécias acontecem.

A amizade, a lealdade, a fé e a crença na cura são valores presentes neste conto em que a ficção e a realidade se confundem.

O livro encontra-se à venda aqui.