Wednesday, July 3, 2013

SENTIDO



      O que podes querer da vida,.
. . . . .. . . . se nela, poeta, tentas plantar
. . . . . . . . o que dela mesma colheste? .
 . . . . . . . Que rumo há de ter sentido .
 .   . . . . . . se não expressares somente .
  . .  .  .  .  .  .                                                         palavras que te constituem?
                                                                                 
                                                                                              Angla Mazle


4 comments:

Anga Mazle said...

Obrigada, Isabel, pela visita ao Desinformação Seletiva e, principalmente, pela divulgação do meu tosco poeminha. (Relutei em postá-lo, porque ando naquelas fases de achar uma porcaria tudo que escrevo.)

Beijos

Maria Isabel Montes said...

Anga, há momentos em que os sentimentos não coincidem com o que produzimos. Os seus textos são fantásticos!
Parabéns!

V.B. Mello said...

O poema é realmente incrível. E sobre essa fase de achar que tudo que se escreve é uma porcaria, é geralmente a fase que melhor se escreve, porque o senso crítico, ainda que inconsciente, está ligado ao máximo.

Maria Isabel Montes said...

Concordo, V. B. Mello!